Que tal ter uma tarde maravilhosa. Faça seu laboratório Olfativo


“De todos os sentidos, o cheiro é o que mais me impressiona. Como cheirar, provar? Como nossos nervos se tornam nuances e  intérpretes sutis e sublimes do que não é visto, não pode ser ouvido, não pode ser escrito em palavras? O cheiro seria como uma alma, imaterial. Essas frases de Marcel Hanoun, cineasta e pensador, ilustram poeticamente os mistérios do olfato. De acordo com um estudo recente, os seres humanos podem distinguir um trilhão de odores diferentes. Durante muito tempo, acredita-se que o olfato é um dos sentidos menos desenvolvidos nos seres humanos.
É verdade que nossa mucosa nasal representa apenas 3 cm2, contra 30 a 100 cm2 em cães! Embora tenhamos perdido muitos de nossos genes olfativos durante a evolução (cerca de 60% de acordo com os estudos mais recentes), não usamos mais nosso olfato para cheirar nossas presas ou encontrar o caminho de volta.
No entanto, o bebê humano, “o mamífero mais bonito”, rasteja, guiado por seu olfato, até o seio de sua mãe desde os primeiros minutos de vida. Ele consegue reconhecer o cheiro de sua mãe desde o terceiro dia de existência. Os primeiros vínculos emocionais dos humanos passam, portanto, pelo cheiro. O sistema olfativo é um dos primeiros a se desenvolver no feto (a partir da 8ª semana), e  no útero, os odores transmitidos pelo líquido amniótico oferecem suas primeiras experiências olfativas.
À medida que nossa visão se desenvolve, parece que nosso olfato está
diminuindo, especialmente porque nossa sociedade moderna dura muito com odores "desagradáveis", incluindo odores naturais do corpo. Parece que as mulheres são mais talentosas que os homens (mais uma vez!) Ao “detectar, identificar, discriminar e memorizar odores. Esta delicadeza do olfato feminino pode ser multiplicado por 100 em certos períodos.
Seu ciclos!
Aromas diretamente ligados ao cérebro. Nossa mucosa
olfativa, localizada na cavidade nasal, é composta de receptores diretamente
conectados ao bulbo olfativo do cérebro. Esses receptores neurais são banhados em muco aquoso  secretado permanentemente pelas células glandulares sendo renovadas a cada dois  ou três meses.
As moléculas químicas odoríferas voláteis presentes no ar interagem com os
receptores olfativos e podem desencadear um impulso nervoso, causando uma série de reações bioquímicas antes de atingir a região pré-frontal do cérebro, que abriga o bulbo olfativo. O último classifica e decodifica as informações e as projeta nas áreas corticais.
É o hipotálamo, o córtex e o sistema límbico que os interpretam como cheiros significativos.
O córtex, sede da percepção racional, identifica e aumenta a consciência da mensagem
olfativa. O hipotálamo tonifica "afetivamente" a mensagem olfativa. Quanto ao sistema límbico, sede da memória emocional (hipocampo) e prazer, gera uma resposta bioquímica.
Assim, o olfato é um sentido primário, em conexão direta com o nosso sistema límbico, diferentemente da visão ou da audição que toma caminhos mais complexos.
Com base nessa observação, é fácil entender como esse sentido, em conexão direta com nossas memórias mais profundas, pode influenciar nosso humor, nosso comportamento e mais nossa saúde no sentido amplo. O estudo dos estados cerebrais mostra como os odores influenciam nossa função respiratória, nossa frequência cardíaca, nossa mente. Certas percepções olfativas nos influenciam sem poder torná-las conscientes. Isso é chamado de “efeito subliminar”.
Óleos essenciais, mensageiros memoráveis Os óleos essenciais, um concentrado de moléculas aromáticas, constituem, portanto, um suporte terapêutico formidável.
Seus inúmeros campos de ação são encontrados na olfatoterapia e na aromaterapia,  atuando nas diferentes funções de nosso organismo e reequilibrando nosso terreno. Moléculas aromáticas são uma maneira de equilibrar nosso sistema nervoso e nossos comportamentos. É uma maneira privilegiada de liberar certos bloqueios emocionais ou combater os fenômenos do vício. O trabalho do Dr. Beghin  destaca a atividade de moléculas aromáticas em diferentes áreas do cérebro. Essa leitura muito interessante torna possível formular escolhas terapêuticas direcionadas. Assim ofereço associações moleculares para estimular ou acalmar nossos
diferentes cérebros. Por exemplo, para liberar o cérebro direito e deixar
emergir nosso senso artístico, é benéfica uma mistura de óleos essenciais.
Lavanda, Cedro e o Ylang Ylang.
Utilize para fazer um blend de 10 ml – 250 gotas
Óleo Essencial de Lavanda 150 gotas
Óleo Essencial de Ylang Ylang 70 gotas
Óleo Essencial de Cedro 50 gotas
Use como perfume, diluindo em óleo vegetal de jojoba.
Ou coloque-o no difusor aromático para ambientes.
Description: arrafas de óleo de ervas aromaterapia conta-gotas de aroma no ...
Assim, é possível regular, além de apoio terapêutico adequado, comportamentos
prejudiciais à saúde, como bulimia, alcoolismo ou fenômenos de dependência de todos os tipos.
Por sua ligação direta com o nosso rinencéfalo (cérebro límbico), a olfatoterapia e
a aromaterapia, constituem  uma alternativa terapêutica real e permite aberturas ainda pouco medidas.
Alguns experimentos foram realizados com pacientes em coma para provocar
reações ou com pessoas que sofreram trauma físico para ajudá-los em sua reabilitação.
Salvador Dali disse que o olfato é um dos nossos cinco sentidos que nos dá a “melhor impressão da eternidade”. Quem nunca experimentou mergulhar em nossas memórias íntimas após uma experiência sensorial ligada a uma fragrância ou um sabor que instantaneamente nos leva de volta a um estado anterior, a uma emoção, a um fragmento da vida? Marcel Proust descreveu esse fenômeno maravilhosamente com sua madeleine de Combray: “… no exato momento em que o pedaço das migalhas do bolo tocou meu paladar, comecei, atenta ao que estava acontecendo de sua extraordinário em mim. Um prazer delicioso me invadiu, isolado, sem a noção de sua causa. Ele imediatamente me deixou indiferente às vicissitudes da vida, seus
desastres inofensivos, sua brevidade ilusória, da mesma maneira que o amor funciona, enchendo-me de uma essência preciosa: ou melhor, essa essência não estava presente. eu, ela era eu. Eu parei de me sentir medíocre, contingente, mortal.
De onde veio essa poderosa alegria? “
O mesmo vale para se reconectar com uma situação vivenciada, para se reconectar com a origem de um medo ou, inversamente, para uma alegria ou um estado de bem-estar. Então, pegue seus frascos!
E deixe-se levar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s